• Sarau Boca das Artes na III Bienal do livro e da literatura
  • 4ª Edição do Sarau Boca das Artes
  • Fiquem atentos as novidades
  • Documentário sobre Parque Boca da Mata
  • Pré-produção do Documentário sobre o Parque Boca da Mata
  • Encerramento da oficina de Direitos Autorais
  • Encerramento da Oficina de Abordagem Política e Comunicação de Fanzines
  • Faísca em Reunião
  • Encerramento da oficina de Mídias no Brasil
  • 2ª Edição do Sarau Boca das artes
  • Criação e produção de áudio da rádio livre Mercado Sul
  • Alunos produzindo zines na oficina de de Abordagem e Comunicação
  • 12/09 - 2ª Edição do Sarau Boca das Artes
  • Produção de áudios da Rádio Livre do Mercado Sul
  • Prorrogada as inscrições até o dia 28
  • 1º Encontro da Oficina de Abordagem Teórica e Comunicação
  • Reta final da oficina de mídias no Brasil
  • 13/08 Oficina de abordagem e comunicação - Fanzines
  • 25/08 a 27/08 Cineclube
  • Direitos Autorais e Parcerias
  • Rádio Livre em Ação
  • Fim da oficina de Pesquisa e Roteiro de Projetos Culturais
  • Flores do Parque Boca da Mata
  • Mata do Parque
  • 19/07 Oficina de Pesquisa e Roteiro de Projetos Culturais
  • Direitos Autorais e Comunicação
  • 1ª Edição sarau Boca das artes !
  • Caminho aberto no parque

Tag: programas

FOTOS_COM_NOMES

PROGRAMA OFICINA E LABOTATÓRIO DE ROTEIRO

Oficineiras: Lorena Carmo e Drica Gomes
Ementa:

O que é fazer o roteiro de uma videonovela? É com essa indagação que propomos a oficina, intervindo de maneira dialógica na realidade da comunidade escolar do CEM 01 do Paranoá. Estimular a criatividade e a imaginação dos participantes da oficina é o ponto motor do tatear sobre esse gênero novo e o foco de nossa proposta é a construção conjunta de reflexões sobre a nossa sociedade que tem como uma de suas referências principais a televisão e a telenovela. A partir de dinâmicas, da exibição de filmes e de tipos de novelas, construiremos o roteiro de cinco capítulos da videonovela, que serão produzidos e editados pelas demais oficinas.

Sensibilização Crítica

23/03

Realidade x Ficção (parte 1)

· Ponto de vista;
· Significação: Como acontece a relação entre sujeito e objeto;
· Relato e narração. A ordenação da narração.

Filmografia:
– Filme: A ficção e o pé de feijão.
– Filme: Lavrador de Paulo Rufino.

25/03

Realidade x Ficção (parte 2)

· O imaginário;
· A narrativa audiovisual: o movimento enquanto índice de “maior realidade”, em contraposição à característica estática da fotografia (imagem parada), que a torna “menos real”.

Filmografia:
– Filme: Manipulação de Massa de Guilherme Reis.

30/03

Troca de idéias: Referências dos participantes sobre novela.

1. Gêneros Literários: épico, lírico e dramático (dramaturgia);
2. Gêneros Narrativos: novela, conto, crônica e romance (Elementos estruturais e estilísticos: Quem? Como? Quando? Onde? Por quê?);
3. Tipos de Novela: novela literária, folhetim, rádio novela, telenovela, videonovela.

01/04
A construção das representações/ estereótipos.

Filmografia:

– Filme: A Negação do Brasil de Joel Zito

· Breve histórico da telenovela no Brasil. As maneiras de fazer telenovela (produção e estética).

06/04

· A telenovela enquanto mediadora da realidade (sociedade de consumo)
· A telenovela enquanto ditadora de modas (questão das massas)

Filmografia:
– Filme: Muito Além do Cidadão Kane – BBC
– Filme: * de arte, mais popular

· Videonovela: Conexão entre roteiro – produção – distribuição
1. O quê as telenovelas mostram e o quê podemos e queremos mostrar?
2. De onde falamos e qual estrutura temos para realizar?
3. Para quem e quais os meios temos para exibir?

O Roteiro

08/04

Introdução ao Roteiro

· Estrutura narrativa: início, meio e fim de uma narração estruturada.
· Tempo do narrado/ tempo da narração;
· Composição/ totalidade. Significado de cada parte para compor a totalidade;
· Temas da videonovela (History Line).

Filmografia:
– Filme: A Chuva, de Joris Ivens

13/04

Construção de personagens

· Principal, coadjuvante e figurantes (trabalhar partes/ totalidade);
· Características;
· Complexidade;
· Foco narrativo;
· Sinopse dos 5 capítulos.

15/04

· Escaleta;
· Curva dramática (passagens de um núcleo para outro);
· Narração (transpõe tempo no espaço)/ descrição (transpõe espaço no tempo)
· Descrição: cenário, tempo, externa, interna;
· Diálogo.

20/04

Construção de personagens e History Line dos capítulos.

22/04

Construção de personagens e construção do primeiro capítulo.

27/04

O som como elemento narrativo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
OSTROWER. Fayga. Acasos e criações artísticas. 2º Ed. Campus Elsevier. RJ, 1990.
ALMEIDA. Heloísa Buarque de. A ficção como vitrine: a novela na promoção do consumo. Novos Estudos Cebrap, n. 66, 2003.
MIRA. Maria Celeste. O masculino e o feminino nas narrativas da cultura de massas ou o deslocamento do olhar. Cadernos Pagu. Campinas, n. 21, 2003.
JUNIOR, João Francisco Duarte. “A edificação da realidade”. In: O que é a realidade. 3º Edição. Ed. Brasiliense. Coleção “Primeiros passos” 1994.
METZ, Christian. A respeito da impressão de realidade no cinema. A significação no cinema. Perspectiva, São Paulo, 1977.
WALTY, Ivete Iara Camargos. O que é ficção. 3º Edição. Ed. Brasiliense. Coleção “Primeiros passos” 1994.

SÍTIOS ELETRÔNICOS CONSULTADOS:
Gênero narrativo in http://www.portalimpacto.com.br/, acesso em 05 de março de 2010.
Wikipédia, acesso em 05 de março de 2010.



PROGRAMA OFICINA DE ATORES

Oficineiro: Wellington Abreu
O PROJETO:
OBJETIVO GERAL
Promover a inclusão social por meio da arte, possibilitando aos participantes a fruição estética, a desinibição e o desenvolvimento das qualidades pessoais.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
– Realização de oficina gratuita de teatro;
– Multiplicar o conhecimento sobre interpretação para teatro e telenovela na escola;
– Desenvolvimento do senso crítico;
– Desenvolvimento da imaginação criativa;
– Experimentação de diversas linguagens artísticas;
– Habilidade para compreender o ponto de vista do outro;
– Desenvolvimento da sociabilidade;
– Desenvolvimento da cidadania;
– Desenvolvimento da expressão verbal.

METODOLOGIA
Corpo e psicologia do ator:
– Aquecimento corporal;
– Jogos de integração do grupo;
– Exercícios de improvisação;
– Características psicofísicas;
– Moldagem; – Flutuação;
– Irradiação;
– Vôo; e
– Fisicalização da emoção.
O ator e os meios:
– O ator de teatro;
– Ator na Televisão;
– O ator de cinema;
– O ator de TV.
A peça de teatro:
– Leitura de textos ou roteiro;
– Análise da peça
– Composição e Desempenho;
– Nascimento do enredo;
– Transformação do enredo;
– Conclusão do enredo;
– Os clímaxes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Stanislavski, Constantin. A Preparação do Ator. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira. 1964. Stanislavski, Constantin. A Construção da Personagem. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira. 1970.
Spolin, Viola. Jogos Teatrais. Editora Perspectiva. 2006.
Chekhov, Michael. Para o Ator Chekhov, Michael. 2003.
Gayoto, Lucia Helena. Voz, Partitura da Ação. Plexus Editora. 1998.


PROGRAMA OFICINA DE DIREÇÃO, FOTOGRAFIA, CAPTAÇÃO DE AUDIO E CONTINUIDADE

Oficineiro: FF

EMENTA

Cinegrafia e direção serão trabalhadas juntas devido a facilidade de juntar as duas funções e acelerar o processo de filmagem/gravação da novela. Noções de enquadramento, fotografia e direção serão apresentadas e adaptadas com os alunos.
Captação de áudio é a parte técnica mais complicada em uma ficção e será adaptada conforme as necessidades do roteiro. Será dado ao aluno todas as noções de captação e adequação aos equipamentos do ponto de cultura e de acordo com as necessidades de roteiro.
Para a continuidade mostrarei filmes e erros e como evitá-los usando anotações e equipamentos (cel. que fotografa e claquete), além de indicações pertinentes ao continuista.

Apesar da distribuição das aulas, todas serão sempre adaptadas ao roteiro da novela e necessidades que possam surgir durante o curso.

PROGRAMAÇÃO

23/03 – Introdução a cada tópico/explicando cada um para os alunos

· A câmera e noções básicas: quadros parados, movimentos no tripé e câmera na mão. Novelas que fazem referência: Seriados e novelas. Alguma prática em sala e o que os alunos já sabem.
· captação de áudio: Retorno do áudio via fones e colocação do microfone conforme o tipo de filmagem. Ref.: Doc. sobre captação e sonoplastia, curta. Prática em sala.
· Continuidade: Noções e erros em filmes. como evitá-los. claquete
25/03 – filmando, dirigindo, captando e continuando

· Noções de enquadramento e luz. Dirigindo uma cena. prática.
· captando áudio e escondendo o microfone nos enquadramentos.
· Continuidade: recursos e prática

30/03 – filmando, dirigindo, captando e continuando 2

Movimentos de câmera; onde começa e acaba um plano; regulando a luz; dirigindo atores; prática; a interação da equipe de captação com o cinegrafista; Prática continuidade; planos que funcionaram e detalhes que podem ser aproveitados na edição.

01/04 – filmando, dirigindo, captando e continuando 3

Plano seqüência e ensaio; luz no automático e no manual; direção e áudio revendo problemas com a cena.
Problemas com captação de áudio numa seqüência longa e em movimento.
Continuidade: elementos que n podem ser recolocados em cena para prováveis takes excedentes e a comunicação com a equipe a respeito.

06/04 – filmando, dirigindo, captando e continuando 4

Noções de luz, rebatedores e sombras; dirigindo movimento dos personagens para melhor captação; captando com lapela nos personagens; continuidade de roupas; cenários e luz.
08/04–
Revendo materiais filmados/gravados e fazendo uma análise sobre o rendimento da equipe e propostas para melhoria.
Propondo cenas de filmes/novelas/seriados e como captar diálogos com uma câmera, cortando e sem cortar.

13/04 – filmando, dirigindo, captando e continuando 5

· improviso nas filmagens: aproveitando o plano errado. dirigindo durante a cena/ falando com os personagens. cenas sem captação de áudio.
· boom
· continuando a partir do erro/acelerando as filmagens

15/04 – filmando, dirigindo, captando e continuando 5

Cenas complexas: efeito matrix; câmera nervosa e correndo; ponto de vista dos personagens; dirigindo com captação de áudio e dirigindo sem cortar; captando áudio distante; continuidade em dois pontos distantes.
20/04 – filmando, dirigindo, captando e continuando 6.

Picotando e detalhando a cena. fazendo um clip.
Sonoplastia e trilha.
Anotando e informando sonoplastia.

22/04 – filmando, dirigindo, captando e continuando 7

Preparando cenas para a videonovela; idéias que fogem ao roteiro.
Criatividade/aproveitamento/ tempo.

27/04 – filmando, dirigindo, captando e continuando 8


preparando cenas para a videonovela.


INTERVENÇÃO DF AGORA!!!!



direçãoarte

PROGRAMA DIREÇÃO DE ARTE, OFICINA E LABORATÓRIO

Oficineira: Carmen San Thiago
Ementa

A proposta desta oficina é a de aproximar o aluno do universo da direção de arte audiovisual(vídeo-novela). Isto será feito através do processo criativo, usando para isso trabalhos baseados em filmes e “novelas”. Este exercício é de cunho prático, de observação e reflexão. Dando inportância a Composição visual e a análise de direção de arte, cenografia, figurino e maquiagem.
É pela observação que o diretor de arte consegue encontrar imagens inusitadas.

Objetivo

Proporcionar ao aluno o acesso a técnicas necessárias ao desenvolvimento do seu trabalho, tais como: Desenvolver conhecimentos na utilização de materiais diversos, noções de desenho (pespectiva, composição visual, elementos visuais e projeto de direção de arte, cenografia e figurino, cor, iluminação, fotografia e o conhecimento dos diversos espaços cênicos aproveitáveis (cenários, locações, cenários de locação, etc)

Programa

Filmes de referência:
– Entre os muros da escola – Entre les murs – Laurent – Cantet -2008
– Metropólis –Fritz Lang -1927
– O encouraçado de Potemkim-Sergei Eisenstein-1925

Entre os muros da escola – Entre les murs – Laurent

Conceitos
– Direção de arte e seus conceitos de apoio (proporção, composição visual, perspectiva e observação)

– Cenografia e seus elementos de apoio;

– Figurino e seus elementos de apoio;

– Cenografia e figurino como elementos vivos. O uso dos signos, metáforas e metonímia.

– Pesquisa iconográfica, palheta de cores sobre a personagem, figurino e maquiagem. (Painel de referência)

A relação com o roteiro. O projeto

Elaboração do perfil vídeonovela – relação entre direção, direção de arte e fotografia – a cor do filme –storyboard;
Levantamentos dos elementos de cenografia e figurino , listagem (decupagem) e mapas; criação, projetos, cenários e figurinos;

A realização

A filmagem: realização e metódos;
A relação no “set”, entre direção, direção de arte e direção de fotografia;
A direção de arte e a montagem.


ediçãodown_film

PROGRAMA OFICINA DE EDIÇÃO DE VÍDEO

Oficineiro: Angel
Plataforma: Cinelerra/Kino – Linux

Ementa:

A partir das experiências pessoais de cada participante e da vivência conjunta ao longo da oficina, trocaremos nossos saberes e práticas sobre informática, informação, contação de estórias, computadores, televisão, sistemas operacionais, jornalismo, cinema, saber colaborativo, programas de computadores, educação, mercado de trabalho, literatura, trabalho em equipe, receitas culinárias, política e manipulação das informações pela grande mídia, perspectivas de vida, ativismo social e midiático. A meta é que ao final do semestre, o grupo esteja apto, técnica e artisticamente a editar o material produzido pelas demais oficinas, além de colaborar ativamente, com o viés da edição e finalização da novela também no planejamento do roteiro, na produção e gravação.

Provocações a serem levadas durante o primeiro mês:

Ao longo dos primeiros quatro encontros, descobriremos o que cada um sabe sobre o computador como ferramenta criativa de trabalho na produção audiovisual e sobre a produção audiovisual sem o computador. Experimentaremos instalar e reinstalar diferentes sistemas livres, destrinchando-os, e falaremos sobre os programas livres e proprietários. Dentre os curtas a serem analisado estão:

– Ilha das Flores, de Jorge Furtado;

– Rap do Trem, de Angel (meu) e de Ricardo Sabatini;

– A Televisão Não Será Revolucionada, do coletivo pernambucano Media Sana.

Nos quatro encontros seguintes, proporemos a discussão sobre os processos de montagem no cinema e na televisão, exercitando nos programas de edição todos as etapas do processo técnico da finalização profissional de vídeo para TV, internet e DVD. Serão disponibilizados os materiais já gravados na escola pelos alunos desde a fundação do ponto, e/ou novas produções rápidas que o grupo sentir necessidade para realização dos exercícios.

Para debate, crítica e descontrução dos truques usados pela indústria cultural, serão analisados os métodos de montagem e, como exercício, remontados trechos de filmes como Cidade de Deus de Fernando Meireles, Quanto vale ou é por quilo, de Sérgio Bianchi, e algumas publicidades, video-clips e trechos de novelas que os participantes tragam para estudo.

Fase laboratório – os meses seguintes…

Nos meses seguintes, avaliaremos abertamente os resultados e seguiremos aprofundando nos estudos e exercícios em conjunto sobre os objetos de interesse da turma, propondo, como tema gerador, como a brincadeira da montagem videográfica pode ajudar/modificar/solucionar/
destruir a criação do roteiro, a interpretação dos atores, a direção de arte e de câmera de uma produção colaborativa.